Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2008
Convite à REFLEXÃO

 

REFLEXÃO

الانعكا

REFLEXIÓN

REFLECTIE

 

προβληματισμου

REFLEXION

반영
REFLECTION
 
反思
размышления
 
RIFLESSIONE
 
 
リフレクション

 

Independentemente da língua que se fale, independentemente do sexo que se tenha, o termo reflexão tem um significado universal.

O tema deste concurso passa pela “Reflexão sobre o futuro das Cidades Portuguesas”.

A primeira fase do projecto exigiu muito trabalho de campo, para darmos a conhecer, mas também para conhecermos melhor a nossa cidade.

Este segundo período passa, essencialmente, por um convite à reflexão.

Portugal atravessa, actualmente, um estado de estagnação, isto é, não evolui, não cria, não dinamiza. Simplesmente, se limita a copiar e a adaptar ideias que não foram e não são fruto da sua criatividade.

Hoje em dia, as cidades Portuguesas actuam como factores decisivos, quer na economia, quer no desenvolvimento, uma vez que são elementos fundamentais para a promoção da cidadania e da qualidade de vida.  
   No entanto, nos tempos mais recentes, já temos vindo a testemunhar algumas evoluções que embora demorem a ser lançadas, devido aos riscos que lhes estão associados, vão sendo notórias. Para todos os investimentos é necessário dinheiro, grande e eterno problema dos Portugueses, factor que os impede,na maior parte das vezes, de arriscar.

Um outro grande problema com que as cidades Portuguesas se debatem é com a falta de emprego que é cada vez maior e que teima em não parar. Devem ser movidos esforços para parar esta onda de despedimentos e falências, com a criação de projectos originais e criativos,em vários ramos, e que promovam emprego para muitas pessoas. A falta de emprego leva muitas famílias a abandonarem as suas cidades cidades e a partirem para outros países à procura de melhores condições. Porém, não são apenas as famílias que se deslocam das suas cidades devido a este problema, uma vez que também os jovens partem, não para fora do país, mas para os principais centros portugueses (Lisboa, por exemplo) em busca de melhores oportunidades.

Não é este o único motivo pelo qual algumas cidades não são capazes de prender os seus jovens. Também o facto de muitas se encontrarem paradas no tempo, de não evoluírem e de não se dinamizarem são aspectos decisivos. Como é de prever este êxodo cada vez maior dos jovens para as principais cidades vai provocar o envelhecimento da população em muitos pontos do país. Se nada de novo e dinamizador for introduzido nas nossas cidades, os jovens aglomerar-se-ão de tal forma nestes centros que estes mesmos acabarão por deixar de conseguir satisfazer as suas necessidades.

Perante estas cidades abandonadas, como nos sentimos? Sem rumo...talvez seja mesmo esta a expressão certa… a sua escuridão, a sua frieza, e a sua solidão afasta-nos dela… e o olhar? Olhamo-la fixamente! Estamos no infinito das trevas… pois bem, e agora? Agora está na altura de mudar e fazer com que os habitantes gostem e desejem a sua cidade. Para isso teremos que alterar o que está errado e preservar o que está correcto.

Também a natureza deve estar sempre presente na nossa realidade: não nos devemos esquecer que sem ela nós não existíamos, cada ataque à natureza é um ataque a nós mesmos!

As cidades cada vez têm menos espaços verdes, pois estes que dão lugar a grandes maças de cimento que nada nos dizem e que crescem exageradamente. Se algo não for feito a respeito, acabaremos por viver numa “selva de cimento”! E ainda para piorar as coisas, os poucos espaços verdes e parques naturais que existem não são, na maior parte das vezes, respeitadas pelas pessoas que não lhes dão o devido valor!

Além de tudo, as cidades têm de evoluir também pensando nos turistas, grande fonte económica para os Portugueses, explorando assim da melhor forma o que este país tem de bom e bonito. Vamos torná-lo mais significativo, agradável e confortável para todos os que nos visitam.

As pessoas têm que se mentalizar acerca  da realidade em que vivemos e não ficarem sentadas à espera de que algo mude, pensando que o futuro é algo longínquo que ainda demora muito a alcançar, pois um dia ele irá chegar e aí todos irão querer voltar atrás para mudar algo, mas talvez seja tarde de mais. Não devemos ficar a espera que alguém dê o primeiro passo! Por que não começarmos já hoje com pequenos gestos a mudar esse mesmo futuro que não é de cada um mas de todos? Também nós, as the5wondersoftheworld, temos obrigação de tentar mudar o presente, não só através deste pequeno projecto, mas também e principalmente em pequenos gestos do nosso dia-a-dia!

O caminho mais fácil seria não pensar, não desejar e não imaginar, mas vamos arriscar e tentar!

Sejamos criativos nos nossos gestos e contribuamos assim para mudar não só o futuro das nossas cidades, mas de tantas outras… está na altura de ser Portugal a criar e recriar, a imaginar, a dinamizar e a mudar! Está sim na altura de ser o nosso país a dar o exemplo, e não apenas a limitar-se a seguir os dos outros!

É neste período que iremos reflectir acerca dos problemas da nossa cidade, bem como as suas necessidades.

Deste modo, nasceu o desejo de uma imponente construção! Porém, só o tempo o dirá…

Não te canses de lutar e não te canses de te importar com a tua cidade, faz dela o teu melhor...para que a tua vida não se arraste!

 



  • Mas não é tudo...
  •   Daqui a umas semanas, iremos realizar a crónica "Notas Soltas". É neste espaço que poderás encontrar a crítica cultural, social e política que fazemos à nossa cidade!

  •      Juntamente com a crónica, decidimos lançar as notícias mais bombásticas de Seia! Aqui poderás ter conhecimento das últimas notícias, em primeira mão!

tags:

publicado por the5wondersoftheworld às 09:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre nós
Image Hosting by Picoodle.com
.Contagem iniciada em 08/02/08
Website Usage Statistics
relationship services
.On-line
visitor stats
.Sempre dentro de horas
.Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Convite à REFLEXÃO

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.favoritos

. Spot Concurso "Cidades Cr...

.tags

. todas as tags

.links
.tags

. todas as tags

.pesquisar
 
.E tu, o que queres para o futuro?

.Crítica
No dia 29 de Fevereiro, deslocámo-nos à Câmara Municipal de Seia, para falarmos com o Dr. Pedro Conde. Como não tínhamos reunião marcada, não foi possível o encontro. Porém, pediram os nossos contactos, no sentido de ajustar a data da reunião. Até hoje aguardamos um telefonema por parte da Câmara. Será por esta falta de apoio que Seia está assim?
.Brevemente…
Projecto da Casa Municipal da Cultura, "Vento de Talentos"
.Cultura: locais a visitar
O Solar dos Botelhos foi edificado no século XVI, tendo sido mandado construir por André Botelho de Alarcão, capitão-mor de Seia. A casa de época manuelina, bem patente em três das suas janelas, possui planta rectangular, que se adapta ao declive do terreno, composta por dois corpos. Do lado direito dispõe-se um corpo maior, de secção rectangular, cuja fachada possui um registo com uma porta e três janelas. À esquerda foi edificado o segundo corpo, quadrangular e mais alto, com dois registos, rasgados por janelas de moldura biselada. Na fachada posterior foram abertas duas janelas de sacada, uma delas mainelada, e duas de peito, uma moldura recta, outra de mainel. Entre estas duas foi colocada a pedra de armas dos Botelhos e uma janela em arco trilobado.
.subscrever feeds